Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O voto antecipado, esse mito urbano

por Rui Lebreiro, em 05.09.13
Uma visita ao site da Comissão Nacional de Eleições é muito elucidativa quanto à forma como os organismos públicos se empenham em que as pessoas exerçam o seu direito ao voto.
Desde logo nas FAQ aparece logo "voto antecipado", ou seja, já não augura nada de bom :D
Depois é deprimente ver a listagem exaustiva da panóplia de situações que poderão, uma vez cumpridas as exigentíssimas condições!, permitir ao cidadão a nobre honra do voto.
Isso implica à partida dirigir-se presencialmente ao presidente de câmara do local onde está recenseado(!!!), munido da documentação solicitada, para pedir a consequente autorização. 

Numa sociedade cada vez mais deslocada do local de residência, pelas mais diversas razoes de ordem pessoal ou profissional, esta é uma legislação manifestamente desadequada, parada no tempo e que se está a borrifar para o fato das pessoas votarem ou não.

A legislação continua a vincar a deslocação presencial, a explicação, a justificação de motivações, este conceito de subserviência, e depois a clássica apresentação de impressos, autorizações, comprovativos, etc etc etc, um estado que ainda assume esta figura paternal de quem supervisiona tudo.
Nao chega ter uma plataforma integrada, com o registo de todos os eleitores - identificados pelo seu cartão de cidadão / BI pois claro (para que serve o cartão de eleitor?!) - e mediante uma mera solicitação para votação antecipada, que não tem por que ser explicada, permitir esse voto e dar a consequente baixa no sistema. Nao, isso seria muito complicado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:41


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Jorge Mendonça a 09.09.2013 às 10:07

penso que era fundamental desburocratizar o voto. Acho inclusivamente que se deveria acabar com a territorialidade do voto, permitindo o voto em qualquer "balcão" no País. Com o cartão do cidadão e a informatização das bases de dados não compreendo a razão para não se estar a pensar nisso.
E pela net, porque não!? Hoje em dia podemos submeter declarações fiscais online, fazer registos de tudo e mais alguma coisa online, submeter ações em tribunal online, mas votar NÃO!
Não mudar isto é aceitar passivamente que cada vez mais pessoas deixem de votar.

Comentar post






Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D